Gabeira: tudo para se tornar o ídolo da Internet

Não é nenhum segredo que há muito de Pedro Dória na candidatura de Gabeira à prefeitura da cidade do Rio de Janeiro.

Tampouco se pode negar que Pedro Dória tenha se apropriado da Internet como um poderoso meio de divulgação de suas idéias, embora ainda se considere um jornalista que tem um blog, não um blogueiro com formação em jornalismo, como por exemplo a minha querida amiga Lu Freitas.

Pois eu posso apostar que há muito de Pedro Dória na briga recentemente comprada pelo Gabeira contra Justiça Eleitoral.

O Dória está conectado na lista da Blogosfera, na qual um grande número dos mais importantes blogueiros do Brasil discutem suas idéias ou, pelo menos, estão ligados.

E estas questões de censura não são muito bem digerida quer pelos blogueiros em si, quer pelos seus leitores. Vejam-se o caso do bloqueio do YouTube em decorrência do vídeo de Daniella Cicarelli e as discussões importante que já se travaram acerca da possibilidade de bloqueio do WordPress.com, que hospeda uma grande quantidade de blogs nacionais, isso sem se falar acerca da própria “ameaça” da Justiça Eleitoral no que diz respeito à propaganda eleitoral na Internet.

Isso, no entanto, em nada tira o mérito da iniciativa. Pelo contrário, demonstra a sensível conexão do Deputado com os anseios de uma categoria, sendo que, destaque-se, a liberdade de expressão – e se pronunciar em relação a quem se vai votar ou expor-se antecipadamente uma plataforma política estão umbilicalmente unidos a isso – é um direito fundamental, garantido não apenas pela nossa Constituição, como também pelas normas de Direitos Internacionais.

Se a Justiça Eleitoral pretendia retirar o palanque de muitos políticos excluindo-os da exposição de suas plataformas e candidaturas na Internet antes do tempo, pelo menos a Gabeira deu uma grande plataforma que ele, competente como é, seguramente vai aproveitar ao extremo.

Isso, contudo, não tira dos internautas uma certa orfandade, uma vez que, em se tratando de liberdade de expressão e de informação, Gabeira poderia fazer muito mais no Congresso do que ocupando a Prefeitura de uma cidade. Apenas se espera que a sua cruzada contra a Justiça Eleitoral faça os demais parlamentares refletirem melhor acerca das regras eleitorais que, afinal, são por eles elaboradas, competindo à Justiça Eleitoral não mais do que lhes dar cumprimento.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-bY

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. “Tampouco se pode negar que Pedro Dória tenha se apropriado da Internet como um poderoso meio de divulgação de suas idéias…”

    Um dos motivos porquê eu blogo é justamente este: expressar idéias.

    No livro “O Jogo do Exterminador”, dois pré-adolescentes super-dotados se tornam os líderes da terra após ganhar influência e poder justamente através da rede. Eram inteligentes, possuidores de retórica e percepção aguçadas e contando com anonimato por tempo o suficiente para que quando suas identidades fossem descobertas, o assunto fosse abafado para evitar escândalo e pânico.

    Não é meu objetivo e nem acho que algo assim vai rolar, mas que é justamente a possibilidade real de redistribuição de poder e influência o grande motivo para ser entusiasta e ativista do ciberspaço, não posso negar.

    ‘braços

  2. O assunto é sério, seríissimo e você me faz ficar de olhos úmidos de emoção, amigo juiz? Oh, céus!
    Será que a justiça eleitoral conseguirá calar a todos? Eu acho muito difícil assumir uma posição, como blogueira e cidadã a esta altura (pro Dória é mais fácil, quem me dera ser carioca e poder votar no Gabeira!). De verdade? O grande problema é: como a gente vai se defender das garras da justiça? Poucos de nós têm dinheiro para bancar advogados que aconselhem bem (e isso custa, nós dois sabemos). Difícil mesmo é conseguir isonomia nesta briga pelos nossos direitos…

%d blogueiros gostam disto: