Ética nos blogs

Com freqüência leio no Contraditorium alguma crítica ao Kibeloco, normalmente acusando-o de não linkar os blogs dos quais extrai inspiração para suas piadas.

Nunca levei muito a sério as acusações, atribuindo o mau humor do Cardoso mais à sua amizade com o Mr. Manson do que a uma verdadeira picaretagem do Tabet.

No entanto um dos últimos textos do Cocadaboa demonstra o motivo da antipatia de muitos blogueiros pela postura do Kibeloco.

Tem vigorado na Blogosfera (que além de ser o nome pelo qual se designa a parte blogueira da Internet, também é uma lista hospedada no servidor do Yahoo! Grupos, na qual dialoga a maior parte dos blogueiros sérios do Brasil) uma caça às bruxas relativamente aos copiadores de blogs.

Tais copiadores são pessoas inescrupulosas que, anonimamente, se valem do conteúdo gerado pelos blogueiros e disponibilizado na rede para, auferir ganhos através dos programas de afiliados.

A criação de conteúdo para os blogs é um trabalho diário, que muitas vezes ocupa um tempo grande para o seu autor, uma vez que isso envolve consultar fontes, checar conteúdos, testar produtos, criar e editar imagens e outras tantas atividades, a depender do seu perfil.

Alguns profissionais, inclusive, tem nos seus blogs a sua única ou principal fonte de renda e a utilização do conteúdo por outros, além de lhe desviar a audiência, que pode ser repartida (e assim também os rendimentos que daí poderiam advir), também pode lhe acarretar outros prejuízos, dentre os quais até a penalização pelos mecanismos de busca, uma vez que estes ao identificar que os conteúdos difundidos por determinados endereços são duplicados, pode reduzir a relevância de seus resultados, deixando de o exibir em seus resultados.

Uma das mais importantes qualidades dos blogs é a sua confiabilidade. Por normalmente terem um ou vários autores que assinam os seus artigos e, via de regra, apresentam o seu rosto, além de serem especializados na matéria sobre a qual escrevem, os blogs são considerados pelos internautas mais experientes como uma fonte de dados extremamente confiável.

E esta situação é bem apreendida pelos blogueiros que, mesmo diante de situações em que teriam a sua fidelidade aos leitores posta a prova, optam por estes. Como se pode ver, por exemplo, neste artigo do Cardoso que, por baixo de toda a ironia, é esta mensagem que transmite.

Aliás para mim um fato paradigmático a demonstrar a honestidade dos blogueiros foi o caso do famoso Interney que em um dos primeiros BlogCamp ficou capitaneando uma mesa de um bar na qual blogueiros ingressaram e saíram ao longo de toda a noite. No final, quando recebeu a conta que, se fosse oriunda, por exemplo, de uma mesa composta por juízes ou advogados, certamente lhe traria um prejuízo de no mínimo uns 10% correspondente à gorjeta sempre ignorada, teve a grata surpresa de verificar que sobrara uma quantia significativa.

Bem esta quantia foi usada para inteirar a indenização de um aparelho que foi furtado no curso do BlogCamp. Vai ver por alguém que teve ética apenas no tempo da Internet discada.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-9e

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Ótima reflexão… acho que a ética depende da educação e do entendimento de mundo de cada um. Se você for aprar para pensar, mesmo o KibeLoco não sendo muito ético (pelo menos na visão de diversas pessoas, eu inclusive) ele tem um retorno muito bom com esse comportamento. Isso quer dizer que não ser ético no Brasil rende? É claro que rende, vide nosso ilustres deputados e senadores. Mas obviamente não é por isso que vamos deixar a ética de lado.

%d blogueiros gostam disto: