Início Livros A Raposa e o Porco-Espinho: moral em Ronald Dworkin

A Raposa e o Porco-Espinho: moral em Ronald Dworkin

133
4
A Raposa e o Porco-Espinho, de Ronald Dworkin
A Raposa e o Porco-Espinho, de Ronald Dworkin

Nos últimos tempos tenho me interessado muito pelo tema da “moral”. Alexy refere que a sua Teoria dos Direitos Fundamentais não é positivista porque tem um conteúdo moral. No entanto temos dificuldades em conceituar moral. O Que Nos Faz Bons Ou Maus  registra que ela pode ser inata, ao passo que Jonathan Haidt faz experiências para identificar as diferenças entre o cérebro dos liberais e conservadores.

Passeando pela livraria hoje acabou me chamando atenção esta obra, de Ronald Dworkin. Ainda não havia ouvido falar nela e acredito que seja nova no Brasil. Em todo caso me pareceu bastante interessante, na medida em que o autor afirma, já nas suas primeiras páginas, que não se trata de uma compilação de autores, mas uma teoria própria acerca do que seja moral.

A imagem do porco-espinho, por seu turno, é justificado pela referência a um verso de um antigo poeta grego, Arquíloco, que dizia:

A raposa sabe muitas coisas; o porco-espinho sabe uma coisa só, mas muito importante. O valor é uma coisa importante.

O que me faz lembrar o Prof. Josep Aguilló Regla, na Universidade de Alicante, quando referia que os homens seriam movidos por paixões, desejos, interesses ou valores. E que haveria uma escala entre eles, mas que os economistas, com o intuito de aplicar suas fórmulas, reduziam tudo a preferências.

Em épocas de campanha política podemos perceber como são comuns aqueles que por interesses momentâneos jogam seu nome na lama e como são raros os que não se deixam influenciar por fatores externos, mas são guiados por verdadeiros valores.

4 COMENTÁRIOS

  1. Dworkin, mesmo sem saber, deixou como última obra um manual para atingir a plenitude da vida.
    Não poderia ser mais feliz em ser bem lembrado com estas ideias, depois de tantos princípios, regras e ponderações. Perceber que toda a sua filosofia buscava atingir bem mais que os pormenores da ciência jurídica.

    Um clássico!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.