Início Geral E as nossas crianças?

E as nossas crianças?

187
2

Tenho visto e ouvido muita coisa em relação à educação infantil e propostas do Estado, através, principalmente, do Parlamento, mas também de outras entidades, de interferência inclusive intra-familiar na educação infantil.

No entanto percebo muito poucas iniciativas sérias, voltada a melhor, efetivamente, a educação de base em nosso país.

Iniciativas como a Bolsa Escola foi substituída pela Bolsa-Família, com cunho nitidamente populista e eleitoreiro, levando à deturpação do benefício.

Dia destes uma advogada amiga minha me referiu que as adoções no Rio Grande do Sul eram inviabilizadas porque muitas mães e pais, embora tivessem abandonado seus filhos em instituições, permaneciam ganhando, por uma “interpretação canhestra” da legislação, o benefício do Bolsa-Família, utilizando os valores para a aquisição de drogas, enquanto os seus filhos não tinha sequer a oportunidade de serem adotados por famílias interessadas.

No vídeo que segue é possível comparar o que é uma educação de qualidade, de primeiríssimo mundo e que devemos almejar para as nossas crianças.

Não é através de ENEMs ou outros exames, da distribuição universal de vagas em universidades ou o favorecimento de apadrinhados através do “Universidade sem Fronteiras” que alcançaremos um grau de excelência em educação. Pelo contrário, nosso futuro são as crianças e o ensino fundamental. Sem bons alicerces não é possível construir nada.

2 COMENTÁRIOS

  1. Prezado dr. Luiz Guilherme Marques:
    Vou fazer uma palestra, na Casa do Saber, no próximo dia 14 de abril, sobre o livro “Crime e Castigo”, de Dostoievski, numa análise jurídico-penal.
    Li com atenção seu excelente artigo “A Justiça e o Direito Penal da Rússia”, publicado na Internet, que muito me valeu como pesquisa e informação. Meus sinceros parabéns!
    Por acaso o sr. teria o texto (traduzido, por óbvio) do Código Penal de 1855 e do Código de Processo da Rússia (que estavam em vigor quando Raskolnikov, em 1860, matou suas duas vítimas), ou, pelo menos, poderia orientar-me de que forma posso consegui-los ou consultá-los? E o texto da reforma da organização judiciária de 1864?
    Antecipadamente agradecido.
    Carlos Frederico Coelho Nogueira
    Procurador de Justiça aposentado (MP de SP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.