Início Direito Alimentos gravídicos. E aí como é que fica?

Alimentos gravídicos. E aí como é que fica?

111
16
Juno
Foto do filme Juno - divulgação

O meu amigo Cobra, do Homem na Cozinha, me alerta via Twitter que a situação do pretenso pai pode ficar preta. Ou seja apenas por alguns indícios o incauto Don Juan pode ter que “bancar” a grávida por todo o período da sua gestação e apenas daí verificar se o rebento é, realmente, seu. Isso tudo por força da nova lei 11.804/2008, que foi sancionada no dia 05 de novembro último pelo presidente Lula.

Infelizmente o Cobra está certo. A ação atende a um rito especial, até em se considerando a urgência da sua solução, que estabelece o exíguo prazo de cinco dias para que o pai apresente a defesa. Após o juiz deverá decidir de pronto, dando os alimentos provisionais mediante análise perfunctória dos elementos apresentados.

A rapidez da decisão e a precariedade da prova se justificam tendo-se em conta os interesses primordiais do nascituro, uma vez que, não raro, as mães solteiras têm que bancar toda a sua gestação, muitas vezes tendo, inclusive, que deixar de trabalhar em casos de risco, apenas podendo demandar os alimentos após o nascimento do filho, sujeitando-se, ainda, a uma ampla cognição.

No caso a dificuldade se inverte e agora quem passará pelo “aperto” serão os garanhões que, via de regra, opõe como defesa “não terem certeza sobre a paternidade”, embora admitam a existência de relação.

Claro que não se descarta a existência de “espertinhas”, objetivando “passar bem” no curso de uma gravidez. No entanto, embora a decisão quanto aos alimentos deva ser breve, ela não impedirá que se prossiga na discussão acerca da paternidade, sendo que no caso de má-fé o ex-réu poderá reaver o prejuízo e a ex-gestante poderá, inclusive, ser enquadrada nos tipos criminais pertinentes.

16 COMENTÁRIOS

  1. A justiça é muito lenta, tenho um BB de 1 e 4meses e entrei na justiça pra solicitar os devidos alimentos gravídicos, e até agora nada,tive uma gravidez complicada e tiveram que tirar meu bb,nasceu com problemas de coração, e a justiça nada fez ate agora…sem contar que fiquei muito abalada com a tal cituaçao, e nada de resolverem..??

  2. Fui atrás dos meus direitos com 2 meses de gestação dei todas as provas que os advogados me pediram tentei duas vezes fazer um acordo com o pai do bebê no fórum porém sem sucesso então passaram o caso para o juiz simplesmente me ligaram do fórum e disseram que eu perdi a causa e que teria que recorrer eu fiquei sem entender nada e muito chatiada com tudo isso porque foi dias de serviço perdido e desgaste emocional para ir atrás de tudo isso para no final o juiz não fazer isso comigo hoje estou de 7 meses e o pai do bebê nunca me deu nada para meu filho então não sei se vale a pena essa justiça brasileira.

  3. Olá, estou no oitavo mês de gestação e desde o início o pai está prometendo que não iria faltar nada e até o momento não arcou com nada. E como estou apenas estudando quem está arcando com todos os gastos (enxoval , médicos e exames) é minha mãe e estou tendo uma gravidez de risco. Então o gasto está grande. E desidi entrar na justiça agora. Mais gostaria de saber se posso pedir os retroativos gastos. Visto que já estou nos últimos meses de gestação.
    Desde já muito obrigada !

  4. Boa noite! Entrei com pedido de alimentos gravidicos dia 13/03, conforme o pai da minha filha não conseguiu ser citado com agilidade, só depois de 2 meses, por meio de sua advogada ofereceu, uma ajuda de custo muito baixo. Vindo em conta que tenho gasto plano de saúde, enxoval para bebê e entre outros gasto. Me recusei a aceitar o valor, pois realmente era muito baixo. Agora o Juiz marcou a audiência para 04/08 é minha filha nasce dia 26/08. Será que consigo receber retroativo os Meus gasto? Porque a justiça é tão demorada, ja que é para o bem da criança, no meu caso até agora não me ajudou em nada.

  5. Dr jorge estou grávida de 7 meses e ao entrar com o pedido de alimentos gravídicos decidi pela audiência de conciliação antes do processo,porém como é feito o ”convite”ao pai o mesmo pode declinar de comparecer!o que fazer então?trabalho,mas minha atual situação financeira está seriamente comprometida com minhas dívidas pessoais e em decorrência da gravidez!negar a paternidade gera constrangimento a gestante!moro sozinha,tenho nível superior e sou concursada.A gravidez afetou meu trabalho minhas relações sociais e meu tratamento psicológico(o bebê pode apresentar problemas devido aos transtornos da gravidez)Por favor me oriente!Grata pela atenção..

  6. Há necessidade de designação de audiência (conciliação, instrução ejulgamento)? Se não houver nenhuma prova pré-constituída que indiquem a paternidade, namoro/relacionamento amoroso?

  7. Olá,minha dúvida também seria a questão do pedido de alimentos gravidicos após o parto. Pois a minha cliente teve todas as despesas bancadas por sua mãe, já que não possuia condições financeiras. Além do mais teve uma gravidez de risco, sendo que devido as suas habituais faltas ao trabalho acabou por ser demitida. Os gastos que sua mãe teve com remédios e a cesariana passam dos R$ 4.000,00. Grata.

  8. Te sigo no twitter e sempre passo aqui pq sempre são os assuntos das notícias que mais me chamaram a atenção…
    A pergutna q fiz pelo twitter sem nenhuma manifestação é sobre a possibilidade da mãe, não ficando comprovada uma possível paternidade, pedir, posterior ao parto, os alimentos retroativos (?)

    Obrigada

    • @Teonilia,

      Não recebi a sua pergunta via twitter. Você poderia verificar se está bem direcionada?
      No que diz respeito à sua pergunta teríamos que ver a jurisprudência que se vai formar. No entanto acredito que não poderá pedir alimentos retroativos, exceto se comprovar, por exemplo, que se comprometeu financeiramente com o objetivo de assegurar os alimentos não alcançados oportunamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.