Início Direito Algumas notas sobre a greve dos policiais civis em São Paulo

Algumas notas sobre a greve dos policiais civis em São Paulo

110
0

A situação da greve dos policiais civis paulistas, ainda que em se abstraindo o conflito ontem ocorrido com a polícia militar do estado, terá importantes repercussões no Direito Coletivo brasileiro.

Tramita no Congresso Nacional uma lei regulamentando a negociação coletiva no setor público. Atualmente não existe qualquer legislação neste sentido, sendo que, em se cuidando de trabalhadores do Estado, em princípio, não se poderia admitir a negociação, na medida em que eventuais alterações nas condições de trabalho dependem de alterações legislativas.

No entanto a negociação com o Estado é realidade, uma vez que inúmeras greves já ocorreram e se encerraram mediante a promessa, via de regra cumprida, pelo Chefe do Executivo, de encaminhar projeto de lei propondo reajustes e melhorias em condições de trabalho.

Ainda se ressente o setor público de uma intermediação judicial dos conflitos, sendo que a atribuição ao Judiciário Trabalhista dos dissídios decorrentes de greve, embora clara na Constituição, ainda não foi assimilada pelos magistrados, inclusive trabalhistas, não sendo raras as situações em que o conflito de competência é decidido em favor do Judiciário Comum, que não tem, no entanto, a aptidão para a solução de demandas que são decorrentes das relações de trabalho.

As questões políticas envolvidas no conflito, quando São Paulo vive um segundo turno em que questões da política nacional e estadual se misturam no embate eleitoral para a prefeitura, igualmente pesam e a iniciativa anunciada de sindicatos de policiais civis de outros estados se mobilizarem (ou imobilizarem) em solidariedade servem para tornar a paralisação ainda mais interessante para o estudo do Direito Coletivo do Direito do Trabalho.

Por fim as questões envolvendo atos de violência maculam a paralisação não apenas perante a opinião pública como, igualmente, podem torná-la ilegal, na medida em que o direito de greve, embora fundamental, supõe limites, dentre os quais, por óbvio, que seja pacífica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.