Categorias
Prática Profissional

Inspeção judicial em Empresa.

Nos últimos meses tenho me valido mais de um importante instrumento processual que, infelizmente, não é muito prestigiado: a inspeção pericial.

Em situações em que durante a prova oral surge alguma dúvida ou contradição entre os depoimentos e cuja solução é possível mediante uma mera vistoria do local de trabalho tenho me deslocado, juntamente com um servidor da Vara, um agente de segurança e, sempre que conveniente, um perito, para conhecer a situação no local.

Os resultados tem-se mostrado excelentes. Muitas vezes as mil palavras de partes e testemunhas são facilmente resumidas na visualização da situação pelo juiz, sendo que, na maior parte das vezes as partes, a vista da verdade incontroversa, acabam entabulando acordos que põem fim ao litígio.

Infelizmente por não ser prestigiada pelo Tribunal, que não fornece meios para tanto, a inspeção judicial acaba representando um custo para o próprio juiz e, muitas vezes, para os servidores que acompanham.

No entanto pelos resultados positivos que alcança é uma prática que já está consagrada na 1ª Vara de São Leopoldo.

A inspeção judicial está prevista no Código de Processo Civil nos arts. 440 a 443.

Publiquei no Facebook algumas fotos comentadas da última inspeção judicial, realizada na empresa Delmuth, de Estância Velha.

Eu na Superinteressante

Superinteressante de dezembro 2008Não são apenas os jornalistas da Zero Hora que lêem o Direito e Trabalho. Menos de uma semana após ter sido referido pelo jornal gaúcho, em virtude de um artigo, agora foi a vez da prestigiada revista da Editora Abril citá-lo.

O artigo, escrito pelo jornalista Solon Brochado, sobre a diferença entre calúnia, difamação e injúria, foi publicado na página 52 da Superinteressante de dezembro, que está nas bancas.

Quem ficou curioso vá às bancas e compre a revista ou então espere que em alguns dias eu publico aqui.

Eu na Zero Hora

Eu já escrevi aqui coisas muito mais interessantes e, no meu entender, muito mais polêmicas. No entanto o que atraiu o interesse da Zero Hora para o meu blog foi, pasmem, um esclarecimento sobre um email corrente.

O artigo foi aquele sobre o babaca de Porto Alegre, no qual eu esclareço que um email, falsamente atribuído a uma professora universitária conhecida, não é de sua autoria, e rendeu uma página inteira na Zero Hora do último domingo (reprodução abaixo).

Interessante é que, ao contrário de mim, a Zero Hora, embora tenha referido que deu uma olhada no meu blog, não informa o seu endereço, coisas da mídia tradicional…

Texto ZH01
Texto ZH02

Atualização: Fui contatado ontem (05/12) por Franciele do Jornal Zero Hora. O contato se deu em virtude da Pesquisa de Precisão Jornalística através da qual a empresa busca verificar perante as suas fontes se o conteúdo publicado correspondeu à informação prestada. Achei a situação muito interessante a aproveitei para reclamar da ausência do link, o que foi devidamente registrado.