Categorias
Direito

Mestrado e Doutorado da Unisinos nas redes sociais.

Para divulgar a Pesquisa e a Pós-Graduação, a Unisinos inaugura seu perfil ” Mestrado e doutorado Unisinos ” no Facebook.

Através deste perfil, a Unisinos postará dicas de qualificação profissional, informações sobre o mercado de trabalho, atualidades, indicações de livros e filmes, links para artigos e dissertações e teses, além de detalhes sobre os cursos de pós-graduação da Universidade.

Para ver estes posts no seu mural do Facebook, basta ter um perfil nesta rede social, buscar por “Mestrado e Doutorado Unisinos” e clicar em “adicionar como amigo” logo acima do nome.

Clicando na imagem você é direcionado para a página no Facebook.

Confira! http://www.facebook.com/profile.php?id=100001690821013.

Este artigo é um publieditorial.

Categorias
Direito

Banca de doutorado de José Paulo Baltazar Jr.

Membros da banca no Salão Nobre da Faculdade de Direito da UFRGS.
Categorias
Direito

Organizações Criminosas e Direitos Fundamentais na UFRGS

O CONTROLE DAS ORGANIZAÇÕES
CRIMINOSAS PERANTE OS DIREITOS
FUNDAMENTAIS DOS INVESTIGADOS E
ACUSADOS
José Paulo Baltazar Junior

Nesta sexta-feira, dia 20/11/2009 às 14h15min o meu grande amigo, o Juiz Federal José Paulo Baltazar Junior, atualmente em exercício no Conselho Nacional de Justiça, vai estar defendendo perante a sua tese de doutorado O CONTROLE DAS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS PERANTE OS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS INVESTIGADOS E ACUSADOS, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da UFRGS.

Vou estar presente e provavelmente publicar alguma coisa na web. Certamente via twitter e talvez ainda via blog e, se possível, YouTube.

Abaixo, para os interessados, o sumário da tese.

Sumário
Sumário…………………………………………………………………………………………………………….. 3
Lista de Abreviaturas e Siglas ……………………………………………………………………………… 7
INTRODUÇÃO……………………………………………………………………………………………….. 11
PARTE I – DIREITOS FUNDAMENTAIS COMO PRINCÍPIOS, SUAS
RESTRIÇÕES E O DEVER DE PROTEÇÃO…………………………………………………….. 19
1. Direitos Fundamentais como Princípios……………………………………………………….. 19
1.1. A Distinção entre Regras e Princípios……………………………………………………. 20
1.1.1. Critérios Tradicionais……………………………………………………………………. 20
1.1.2. Os Princípios como Mandamentos de Otimização…………………………….. 21
1.1.3. Colisões de Princípios e Conflitos de Regras……………………………………. 22
1.1.4. Regras e Princípios “Prima Facie” ………………………………………………….. 24
1.1.5. Objeções ao Conceito de Princípios………………………………………………… 25
1.2. Modelos de Regras e de Princípios ……………………………………………………….. 28
1.2.1. O Modelo Puro de Princípios …………………………………………………………. 29
1.2.2. O Modelo Puro de Regras ……………………………………………………………… 29
1.2.3. O Modelo Híbrido de Regras e Princípios………………………………………… 31
1.3. Importância da Distinção entre Regras e Princípios…………………………………. 31
2. Restrições aos Direitos Fundamentais………………………………………………………….. 32
2.1. Teoria Interna e Teoria Externa das Restrições……………………………………….. 33
2.1.1. Teoria Externa ……………………………………………………………………………… 33
2.1.2. Teoria Interna ………………………………………………………………………………. 34
2.1.3. Direitos Fundamentais como Princípios e Teoria Externa………………….. 35
2.2. Restrição e Conformação dos Direitos Fundamentais………………………………. 37
2.3. Classificação das Restrições…………………………………………………………………. 38
2.3.1. Restrições Diretamente Constitucionais e Restrições Indiretamente
Constitucionais (Restrições Legais) …………………………………………………………. 38
2.3.2. Autorização Implícita de Restrições………………………………………………… 41
2.4. Os Limites das Restrições (Schranken-Schranken)………………………………….. 44
2.4.1. Reserva de Lei ……………………………………………………………………………… 44
2.4.2. O Princípio da Proporcionalidade como Limite às Restrições…………….. 45
2.4.3. A Preservação do Núcleo Essencial ………………………………………………… 47
2.5. O Tipo Abstrato do Direito Fundamental e as Restrições…………………………. 49
3. A Doutrina da Proibição de Insuficiência (“Unterma?verbot”)……………………….. 51
3.1. O Conteúdo Objetivo dos Direitos Fundamentais……………………………………. 51
3.2. Noção de Proibição de Insuficiência……………………………………………………… 54
3.3. Proibição de Insuficiência na Lei Fundamental Alemã…………………………….. 57
3.4. Proibição de Insuficiência na Jurisprudência do Tribunal Constitucional
Federal da Alemanha…………………………………………………………………………………. 58
3.5. Críticas à Teoria da Proibição de Insuficiência……………………………………….. 60
3.5.1. Autonomia da Proibição de Insuficiência frente à Proibição de Excesso 60
3.5.2. A Compatibilidade entre Proibição de Insuficiência e Proibição de
Excesso………………………………………………………………………………………………… 64
3.5.3. Outras Críticas à Teoria da Proibição de Insuficiência ………………………. 66
3.6. A Concretização do Dever de Proteção………………………………………………….. 68
3.6.1. Destinatários do Dever de Proteção…………………………………………………. 68
3.6.2. O Espaço de Conformação do Legislador………………………………………… 70
3.6.3. Os Deveres do Estado……………………………………………………………………. 73
3.6.3.1. O Dever de Informar-se…………………………………………………………… 73
3.6.3.2. Os Deveres de Observação e Melhora……………………………………….. 74
3.6.4. O Problema da Incerteza do Quadro Fático ……………………………………… 75
3.6.5. O Risco Residual como Limite à Proibição de Insuficiência………………. 79
3.6.6. A Determinação do Direito Fundamental em Jogo……………………………. 80
3.6.7. A Insuficiência dos Critérios da Proibição de Excesso………………………. 80
3.6.8. Proposta para a Estrutura da Proibição de Insuficiência …………………….. 82
PARTE II – O CRIME ORGANIZADO ……………………………………………………………… 84
1. Estado da Discussão ………………………………………………………………………………….. 84
1.1. A Polarização no Debate Criminológico………………………………………………… 84
1.1.1. O Discurso do Mito ………………………………………………………………………. 84
1.1.2. A Teoria da Conspiração……………………………………………………………….. 87
1.1.3. Crítica e Tomada de Posição ………………………………………………………….. 88
1.2. Crime Organizado e Política Criminal …………………………………………………… 93
1.2.1. A Política Criminal Liberal ……………………………………………………………. 95
1.2.2. O Funcionalismo Penal………………………………………………………………….. 97
1.2.3. O Direito Penal de Duas Velocidades ……………………………………………… 99
1.2.4. O Direito Penal do Inimigo ………………………………………………………….. 100
1.2.5. Crítica e Tomada de Posição ………………………………………………………… 101
2. O Problema do Conceito ………………………………………………………………………….. 110
2.1. A História do Conceito………………………………………………………………………. 111
2.2. Paradigmas de Organizações Criminosas……………………………………………… 117
2.2.1. O Paradigma Mafioso ou Tradicional ……………………………………………. 117
2.2.2. O Paradigma da Rede………………………………………………………………….. 122
2.2.3. O Paradigma Empresarial…………………………………………………………….. 125
2.2.4. O Paradigma Endógeno……………………………………………………………….. 132
2.2.5. Tomada de Posição……………………………………………………………………… 135
2.3. Distinção da Criminalidade Organizada e Fenômenos Assemelhados ……… 137
2.3.1. Criminalidade de Grupo ………………………………………………………………. 137
2.3.2. Criminalidade Profissional…………………………………………………………… 137
2.3.3. Crime cometido de forma Organizada …………………………………………… 138
2.3.4. Gangues Juvenis…………………………………………………………………………. 139
2.3.5. Grupos Terroristas………………………………………………………………………. 139
2.3.6. Criminalidade de Massa ………………………………………………………………. 142
2.4. Características das Organizações Criminosas ……………………………………….. 143
2.4.1. Características Essenciais…………………………………………………………….. 144
2.4.1.1. Pluralidade de Agentes………………………………………………………….. 144
2.4.1.2. Estabilidade ou Permanência………………………………………………….. 144
2.4.1.3. Finalidade de Lucro………………………………………………………………. 145
2.4.1.4. Organização…………………………………………………………………………. 146
2.4.2. Características Não-Essenciais……………………………………………………… 148
2.4.2.1. Hierarquia……………………………………………………………………………. 148
2.4.2.2. Divisão de Trabalho ……………………………………………………………… 150
2.4.2.3. Conexão com o Estado………………………………………………………….. 153
2.4.2.3.1. Corrupção ……………………………………………………………………… 155
2.4.2.3.2. Clientelismo…………………………………………………………………… 157
2.4.2.3.3. Infiltração………………………………………………………………………. 159
2.4.2.4. Violência……………………………………………………………………………… 160
2.4.2.5. Exploração de Mercados Ilícitos ou Exploração Ilícita de Mercados
Lícitos…………………………………………………………………………………………….. 165
2.4.2.6. Monopólio ou Cartel……………………………………………………………… 166
2.4.2.7. Controle Territorial……………………………………………………………….. 167
2.4.2.8. Uso de Meios Tecnológicos Sofisticados…………………………………. 168
2.4.2.9. Transnacionalidade ou Internacionalidade……………………………….. 168
2.4.2.10. Obstrução à Justiça……………………………………………………………… 171
3. O Problema da Tipificação……………………………………………………………………. 172
3.1. A Situação Legal no Brasil…………………………………………………………………. 172
3.1.1. A Lei Brasileira do Crime Organizado…………………………………………… 173
3.1.2. O Crime de Quadrilha (CP, art. 288) como Antecedente Nacional da
Organização Criminosa ………………………………………………………………………… 174
3.1.2.1. Bem Jurídico………………………………………………………………………… 175
3.1.2.2. Sujeito Ativo………………………………………………………………………… 175
3.1.2.3. Tipo Objetivo……………………………………………………………………….. 176
3.1.2.4. Tipo Subjetivo ……………………………………………………………………… 179
3.1.2.5. Consumação ………………………………………………………………………… 180
3.2. Documentos Internacionais ………………………………………………………………… 181
3.2.1. A Convenção de Palermo …………………………………………………………….. 182
3.2.2. Documentos Europeus…………………………………………………………………. 185
3.3. Organizações Criminosas na Experiência Estrangeira……………………………. 187
3.3.1. Alemanha…………………………………………………………………………………… 188
3.3.2. Áustria ………………………………………………………………………………………. 189
3.3.3. Bélgica………………………………………………………………………………………. 190
3.3.4. Bolívia ………………………………………………………………………………………. 190
3.3.5. Espanha……………………………………………………………………………………… 190
3.3.6. Estados Unidos…………………………………………………………………………… 191
3.3.7. Itália………………………………………………………………………………………….. 191
3.3.8. Luxemburgo ………………………………………………………………………………. 192
3.3.9. Suíça …………………………………………………………………………………………. 192
4. O Crime Organizado como Problema para o Processo Penal ………………………… 192
4.1. A Relação entre o Processo Penal e os Direitos Fundamentais………………… 193
4.2. Os Direitos da Vítima no Processo Penal……………………………………………… 196
4.3. A Verdade no Processo Penal……………………………………………………………… 199
4.4. A Prova e o Crime Organizado……………………………………………………………. 202
4.4.1. Processo Penal e Prevenção do Crime……………………………………………. 205
4.4.2. Meios de Prova e Meios de Investigação ou de Inteligência……………… 210
4.5. Eficiência e Devido Processo ……………………………………………………………… 216
4.6. O Papel do Poder Judiciário ……………………………………………………………….. 220
PARTE III – A SEGURANÇA COMO DEVER ESTATAL E DIREITO DO
CIDADÃO E A AMEAÇA DO CRIME ORGANIZADO…………………………………… 225
1. O Dever Estatal de Segurança e o Direito do Cidadão à Segurança ……………….. 225
1.1. Fundamento do Dever Estatal de Segurança…………………………………………. 227
1.2. O Direito à Segurança em Textos Constitucionais e Documentos
Internacionais………………………………………………………………………………………….. 231
1.3. O Direito à Segurança nas Constituições Brasileiras ……………………………… 234
1.4. O Dever Estatal de Segurança na Alemanha…………………………………………. 237
2. A Liberdade como Limite do Direito à Segurança……………………………………….. 241
2.1. A Liberdade Contemporânea………………………………………………………………. 241
2.1. A Relação entre Segurança e Liberdade……………………………………………….. 246
2.1.1. As Teses Possíveis na Relação entre Liberdade e Segurança ……………. 248
2.1.1.1. Tese Comunitarista……………………………………………………………….. 249
2.1.1.2. Tese Individualista………………………………………………………………… 250
2.1.2. Tomada da Posição……………………………………………………………………… 252
3. Dever Estatal de Proteção e Crime Organizado …………………………………………… 256
3.1. Dever de Proteção e Direito Penal e Processual Penal……………………………. 256
3.2. A Questão Empírica da Existência de Organizações Criminosas no Brasil.. 260
3.2.1. As Dificuldades da Questão Empírica……………………………………………. 261
3.2.2. A Superação das Dificuldades………………………………………………………. 263
3.2.3. O Crime Organizado no Brasil……………………………………………………… 266
3.3. A Questão da Existência de Perigo………………………………………………………. 271
4. A Concretização do Dever de Proteção no âmbito do Crime Organizado……….. 275
4.1. A Tipificação da Organização Criminosa …………………………………………….. 275
4.1.1. A Insuficiência do Crime de Quadrilha………………………………………….. 275
4.1.2. A Tipificação como Obrigação de Direito Internacional ………………….. 278
4.1.3. A Possibilidade Dogmática de Construção do Tipo de Organização
Criminosa …………………………………………………………………………………………… 279
4.1.4. As Opções Legislativas ……………………………………………………………….. 282
4.1.4.1. Tipificação Autônoma…………………………………………………………… 282
4.1.4.2. Causa de Aumento………………………………………………………………… 284
4.1.4.3. Conceito Instrumental……………………………………………………………. 286
4.1.4.4. Tomada de Posição……………………………………………………………….. 287
4.1.5. Projetos de Lei em Tramitação no Brasil ……………………………………….. 288
4.1.5.1. Projeto de Lei nº 3.731/97……………………………………………………… 288
4.1.5.2. Projeto de Lei nº 2.858/00……………………………………………………… 288
4.1.5.3. Projeto de Lei nº 7.223/02……………………………………………………… 289
4.1.5.4. Projeto de Lei nº 150/06………………………………………………………… 289
4.1.5.5. Projeto de Lei nº 7.622/06……………………………………………………… 291
4.2. A Resposta Processual Penal ao Perigo do Crime Organizado………………… 293
4.3. A Forma Ideal de Concretização do Dever de Proteção no Crime Organizado…. 297
Conclusão ……………………………………………………………………………………………………… 300
Bibliografia……………………………………………………………………………………………………. 301

Categorias
Direito

Pós-Graduação em Direito do Trabalho no CETRA-RS

Como sabem o Mestrado em Montevidéu, as aulas em São Gabriel, o blog e o trabalho na AMATRA, cumulados com o trabalho na Vara de Rosário do Sul não me deixam muito tempo disponível.

Por este motivo já tive que recusar algumas ofertas muito interessantes de aulas em cursos de pós-graduação e palestras por absoluta falta de tempo.

No entanto aproveitando as minhas férias e reorganizando a minha agenda, cancelando e/ou adiando alguns compromissos, consegui aceitar ao convite do CETRA-RS para proferir algumas aulas nos seus cursos de Pós-Graduação.

A proposta de curso do CETRA, que desenvolve o seu curso de pós-graduação em parceria com o CESUSC – Faculdades de Florianópolis, é muito interessante e possibilita uma revisão de conceitos importantes do Direito e do Processo do Trabalho, o que é essencial para quem pretende ingressar em um curso de Mestrado ou Doutorado, evitando que o intervalo entre a graduação e o retorno aos estudos seja abruptamente interrompido com uma carga exageradamente teórica, como ocorre em cursos de tal nível.

Nesta próxima semana inicia-se um destes cursos em Torres. A mim competirão as aulas de sábado, dia 02, conforme programa abaixo. No primeiro dia o meu amigo e colega, Francisco Rossal de Araújo, professor de Direito do Trabalho na UFRGS, fará a abertura do curso.

01/08/08   Sexta-feira

Das 19:00 às 22:30

Direito do Trabalho

I

Ênfase para a evolução histórica, fontes e princípios Aula I

02/08/08   Sábado Manhã  Das 08:30 às 11:50

Direito do Trabalho

II

Ênfase para a evolução histórica, fontes e princípios – Aula II

02/08/08   Sábado Tarde

Das 13:00 às 16:30

Direito do Trabalho

III

Ênfase para a evolução histórica, fontes e princípios – aula III – Irrenunciabilidade, continuidade, boa-fé, razoabilidade; relação de trabalho: conceito

Está também agendado o início de um curso nos mesmos moldes em Porto Alegre, para a primeira quinzena de agosto, cujas primeiras aulas também me incumbirão.

O CETRA-RS promoverá, ainda, em setembro deste ano,  em Caxias do Sul, um curso de Audiência Trabalhista e Sustentação Oral no Tribunal, em que ministrarei uma das aulas. Este curso fará parte do lançamento de um curso de Pós-Graduação que se realizará na cidade.

Em Torres as aulas serão ministradas no De Rose Palace Hotel.

Maiores informações sobre o curso que se realizará em Torres a partir do dia 01/agosto poderão ser obtidas no link que segue informações sobre Pós-Graduação em Direito e Processo do Trabalho em Torres, ou através da Coordenação de Pós-Graduação do CETRA, com Eduardo Alvarez ou Shirley Mery Marin e também através dos telefones (51)8183-9046/3232-1800.

Zemanta Pixie
Categorias
Avançado Direito Negociação Profissional Teoria

Financiamento dos estudos e permanência no emprego: ética ou contrato?

Pergunta do leitor:

Olá, boa tarde!
Eu trabalhava em uma empresa, a qual me concedeu uma bolsa p/ a realização de meu curso de doutorado. Após a conclusão do doutorado, voltei e continuei a trabalhar na empresa. Ocorre que acabei passando em um concurso público que exige dedicação exclusiva. Fui obrigado então a pedir demissão da empresa. Acontece que agora a empresa requer que eu pague o valor total dos meses que ainda faltavam que eu trabalhasse lá!
Gostaria saber a respetio da legalidade dessa exigência! Há alguma abusividade nessa exigência?
Agradeço

A questão é bastante delicada e me faz recordar uma conversa que eu tive há algum tempo com um grande amigo meu que trabalha em um grande escritório de advocacia que tem um sistema semelhante de incentivo aos estudos.

Na época eu lhe indagava se havia algum contrato estabelecendo critérios para o fornecimento da bolsa e outras condições e ele me respondeu que não. A questão era tratada de forma oral, sem que se registrasse qualquer documento, justamente como forma de se evitar a “interpretação” do contrato e, por conseguinte a sua tentativa de burla.

O caso narrado pelo Alexandre parece bastante similar.

Todos sabemos, contudo, que não existe almoço grátis. Tampouco os empresários, sejam de que ramo for, ficam concedendo bolsas de aperfeiçoamento aos seus empregados para que estes logo que alcancem um emprego melhor lhes deixem.

Se não há contrato isso não significa que o trabalhador nada deva ao empregador, ainda que seja respeito ou gratidão, o que pode, sim, ser demandado na Justiça.

Assim, na ausência de um acerto prévio, a melhor forma de se solucionar a situação, e evitar o conflito, é apelar ao bom senso. A empresa teve despesas com o empregado para que este cursasse o seu doutorado? Qual o valor das despesas? Quanto se pode considerar que o trabalhador já trouxe de benefícios para a empresa através de seu trabalho?

Apurado um valor, que jamais será exato, mas que deverá ser acordado por ambos através de critérios razoáveis, se deverá passar a um acordo para o seu pagamento. É possível parcelar, é possível abater dos eventuais créditos decorrentes do desligamento do trabalhador?

Não se pode o trabalhador esquecer que o benefício que lhe foi alcançado por seu empregador pode vir a ser alcançado a outros empregados e que uma experiência traumática para ele em relação ao ressarcimento pode frustrar que outros venham a gozar de idêntico tratamento.

Na falta de um acordo de valores, podem as partes apelar para a aplicação das normas que incidem sobre as relações de trabalho com o Poder Público, que, salvo engano, exigem que o trabalhador se mantenha trabalhando pelo menos por igual período ao do afastamento, sob pena de ter de indenizar o Erário.

Veja-se que este é um típico caso em que o pior acordo sempre será melhor do que a mais perfeita sentença, até porque este mundo dá voltas, e não se sabe se no futuro empregado e empregador não terão a oportunidade de voltar a se relacionar.

Finalmente, no caso de não se conseguir chegar a um acordo extrajudicial, a competência para a solução da controvérsia será da Justiça do Trabalho.

Aproveite para ler este livro que lhe ensina tudo sobre arrumar um novo emprego.

Zemanta Pixie

Encontre seu novo emprego