Sobre a audiência e sua duração.

Luiz Salvador, atual presidente da ABRAT e ALAL,  respectivamente a Associação Brasileira dos Advogados Trabalhistas e da Associação Latino Americana dos Advogados Laboralistas, abre, no Consultor Jurídicio, um debate sobre aspectos da audiência trabalhista.

Sustenta, dentre outros pontos, que deve haver alterações no seu rito, em especial no que diz respeito à unidade da audiência, tendo-se em consideração que a forma como tem sido praticada, na qual se exige do autor a manifestação imediata sobe o conteúdo da defesa e subseqüente instrução, inclusive com a apresentação de testemunhas, é desfavorável ao trabalhador.

Refere, de outra parte, que o intervalo atualmente disciplinado pela Corregedoria da Justiça do Trabalho, de 15 minutos, deve ser mantido, bem como a determinação para que se adiem as audiências quando extrapolado em mais de uma hora o seu atraso.

As idéias e sugestões do eminente advogado são todas extremamente oportunas. Em especial no que diz respeito à oportunidade de manifestação do autor sobre o conteúdo da defesa, que, sem dúvidas, causa um desequilíbrio entre as partes.

Nada obstante se deve acolher as suas observações apenas como um início de debate. O país é de dimensões continentais e se tem observado que há inúmeros ritos trabalhistas, alguns que variam inclusive entre unidades judiciárias instaladas em um mesmo foro. Assim é sabido que na 2ª Região – capital e litoral de São Paulo – se utiliza da audiência una, inclusive em ações ordinárias. Isso não ocorre, por exemplo, no Rio Grande do Sul, onde a praxe estabelece a cisão da audiência, às vezes inclusive em ações do procedimento sumaríssimo.

Tampouco se pode admitir que se acolha uma uniformização de procedimentos. A diversidade atende, via de regra, às peculiaridades da região e não se pode negar ao juiz a adequação de sua pauta aos interesses e realidade de sua localidade. Eu próprio tinha por hábito realizar as audiências em intervalos largos, exatamente com o intuito de não permitir que partes e advogados esperassem por demais para a realização de suas audiências.

Todavia esta minha prática, que funcionou muito bem quando eu prestei jurisdição no interior do estado, em varas únicas, se mostrou incompatível com as necessidades das partes e advogados em São Leopoldo, onde há três varas do trabalho. Para quem atua nesta cidade é muito mais adequado que as audiências se sobreponham, contando com a compreensão dos juízes e servidores para, nos casos em que ocorra a chamada simultânea em duas salas de audiência, as de uma das varas prossigam com as subseqüentes, enquanto os demais se envolvem no ato judicial já iniciado.

Não há dúvidas de que o sistema pode ser melhorado. No entanto, soluções nacionais provavelmente não serão as mais adequadas para acomodar realidades tão distintas. Bem verdade que está em andamento uma centralização dos escritórios de advocacia no Sudeste do país, o que lhes cria uma necessidade de adequação de ritos. Contudo este fenômeno deve ser suportado por quem lhe deu causa, não se podendo, sob o argumento de facilitar a atuação de alguns, permitir que se invada o mercado de trabalho dos advogados regionais, muito mais afeiçoados às práticas de sua região.

Mensagem da Asociación de Jueces Y Magistrados de Honduras

ASOCIACIÓN DE JUECES Y MAGISTRADOS DE HONDURAS (ASOJMAH)

A la Comunidad Nacional e Internacional pone en conocimiento lo siguiente:

CONSIDERANDO: Que la Asociación de Jueces y  Magistrados de Honduras es una Asociación que aglutina a la gran  mayoría de los Jueces yMagistrados de todo el país.-

CONSIDERANDO: Que el respeto a las decisiones judiciales en un estadodemocrático de derecho es exigible, ante todo, a los funcionarios de losdemás poderes por constituir, no un privilegio de Juez o Magistrado, sinoun derecho fundamental con que cuentan los ciudadanos para la convivenciasegura y pacifica.-

CONSIDERANDO: Que las actuaciones que realizaron los funcionariosjudiciales  en el caso por todos conocido que tiene convulsionado al país,han sido enmarcadas estrictamente en apego a la Constitución, TratadosInternacionales y  las Leyes vigentes, es así que en fecha dieciocho dejunio del  dos mil nueve, el Juzgado de Letras de lo ContenciosoAdministrativo libro una y por segunda y tercera vez comunicación judicialal  Presidente de la República, por medio de la  secretaría General  en eldespacho  de la presidencia a fin de que dentro del plazo de cinco díasinformara qué medidas había adoptado para dar cumplimiento a la sentenciainterlocutoria que suspendía la encuesta popular por ser ilegal de lo cualno se obtuvo respuesta alguna. Asimismo con fecha veintiséis de junio deldos mil nueve,  a raíz del requerimiento fiscal presentado el día anteriorpor el  Ministerio Público contra el ciudadano JOSÉ MANUEL ZELAYA ROSALESpor  delitos CONTRA LA FORMA DE GOBIERNO, TRAICIÓN A LA PATRIA, ABUSO DEAUTORIDAD, Y USURPACIÓN DE FUNCIONES, a titulo de autor en perjuicio de laADMINISTRACIÓN PÚBLICA Y  EL ESTADO  DE HONDURAS, el pleno de la CorteSuprema de Justicia por UNANIMIDAD  de votos nombró a uno  de susMagistrados para que conociera el proceso en las etapas preparatorias eintermedia, mismo que admitió el requerimiento y dictó orden de captura yallanamiento contra el ahora Ex Presidente de la República Don MANUELZELAYA ROSALES.-

CONSIDERANDO: Que en fecha veintiséis de junio del  dos mil nueve, asolicitud del  Ministerio Público,  el  Juzgado de Letras de loContencioso Administrativo  libró ordenes a la Policía Nacional para quedada -la desobediencia del Poder Ejecutivo- de suspender toda actividadrelacionada con la consulta o encuesta declarada ilegal que se llevaríaacabo el día domingo veintiocho de junio, se procediera al decomiso detodo el material  de la encuesta que se utilizaría en esa actividad y ladejara en deposito en las bodegas de la fuerza aérea, de donde el señorpresidente en abierta desobediencia a la resolución judicial las fue arescatar ignorando la orden judicial que es parte del estado de derecho deeste país en el cual vivimos bajo un gobierno de leyes y de autoridadesconstituidas bajo las mismas a las cuales hay que respetar y obedecer.

CONSIDERANDO: Que Honduras dentro de los pueblos o países deLatinoamérica, ha dado muestras claras que no está dispuestos a tolerarabusos de poder, porque es conciente que el estado de derecho así como damecanismos para -elegir y ser electo-  también permite  -destituir- locual refiere que el hecho de que un Presidente sea electoconstitucionalmente no significa que tiene licencia para realizaractuaciones al margen de la ley y que por ostentar esa condición su statuslos coloca por encima del  ordenamiento Constitucional,  Legal y por sobrelas resoluciones judiciales.

Por lo Antes expuesto la Asociación de Jueces y Magistrados de HondurasASOJMAH declara:

PRIMERO: Que de los antecedentes antes relacionados se desprende que  laacción realizada por las Fuerzas Armadas de Honduras y la Policía Nacionalfue basada en  ordenes judiciales procedentes de autoridad competente  ysu propósito fue hacer valer las decisiones judiciales que reiteradamentese estaban incumpliendo por el titular del Poder Ejecutivo en abiertoirrespeto a  la Constitución, las leyes y las disposiciones del PoderJudicial.-

SEGUNDO: Que como resultado se logró hacer prevalecer  la constituciónpolítica y el Estado de Derecho que quedó a salvo al haberse actuadodentro  de los preceptos legales  para defenderlo contra todo aquel queilegalmente se anteponga al Imperio de la Ley.

TERCERO: Lo anterior se hace de conocimiento de los OrganismosInternacionales para dejar constancia que hubo un procedimiento previobasado en el ordenamiento jurídico y que las resoluciones emitidas por losTribunales competentes,  enmarcada dentro  de los preceptos legales fueronincumplidas razón por la que también procedieron los mecanismos parahacerlos cumplir.

CUARTO: La lección que dio Honduras a América Latina y al mundo entero auncuando la prensa internacional, los organismos internacionales y gobiernosalrededor del mundo, no han comprendido aún el contexto y la esencia deeste caso, y han condenando lo que ha sucedido en Honduras porque lo hanvisto bajo el prisma de los conceptos propios del viejo paradigma de losgolpes de estado, no opaca lo grandioso y la lección que este pueblo estádando ya que sin derramamiento de sangre se ha alzado para defender suestado de derecho manifestado a través de leyes,  resoluciones ysentencias de los Tribunales, lo que se ira comprendiendo en el transcursodel tiempo y la historia nos premiará, dado que lejos de haber unrompimiento del orden constitucional como se quiere hacer ver por serpropio de épocas pasadas, lo que hubo es un restablecimiento y afirmaciónde dicho orden en el cual queremos vivir y defendemos como quedodemostrado, ya que aun cuando se trató de un Presidente constitucional ydemocráticamente electo, hay conciencia social que tal condición no daderecho a estar por encima de la Constitución,  las Leyes de la Repúblicay las resoluciones judiciales que como gremio judicial estamos obligados adefender para la seguridad jurídica de este país.

Atentamente,

ASOCIACIÓN DE JUECES Y MAGISTRADOS DE HONDURAS (ASOJMAH)

Manual da Execução Trabalhista: Expropriação de Marcelo Papaléo De Souza

O meu amigo e colega aqui da 4ª Região, juiz da Vara do Trabalho de Vacaria, acaba de lançar a segunda edição de seu livro Manual da Execução Trabalhista.

O Marcelo tem abordado um tema que a maioria dos operadores do Direito do Trabalho não aprofundam, embora importantíssimo: a execução trabalhista. Neste esteio, tendo já lançado várias obras sobre o assunto,  sempre  examinando a matéria com extremo apuro, cotejando-a, em especial com o Processo Civil, que se tem evoluído sobremaneira através das últimas reformas, ele acaba se consagrando como um especialista, sendo, por conseguinte, sempre preciosas as suas observações.

Manual da Execução Trabalhista: Marcelo Papaléo de Souza
Manual da Execução Trabalhista: Marcelo Papaléo de Souza

É o que ocorre com o seu Manual. A obra, embora não tenha pretensões de esgotar o assunto, mereceria, com certeza, uma classificação superior a de mero manual, nada obstante a clareza e objetividade com que escrita permitam um rápido manuseio para a solução das questões cotidianas.

Leia o que diz o seu resumo na contra-capa:

O legislador, com o objetivo de dar celeridade à execução trabalhista, afastou-se das minúcias e formalismos excessivos muitas vezes encontrados no processo comum, estabelecendo na CLT poucos artigos (876 a 892). Na fase da expropriação, a situação complica-se ainda mais, haja vista a existência de apenas um artigo (art. 888 da CLT) para disciplinar toda a matéria. Sem sombra de dúvidas, tal previsão é insuficiente para resolver os problemas da fase de expropriação trabalhista, restando aos aplicadores a utilização de institutos jurídicos previstos em normas esparsas, ou seja, na Lei de Execuções Fiscais e nas do Código de Processo Civil.
A execução trabalhista, concebida para ser simples e célere, tornou-se complexa e, via de regra, demorada. Não é fácil a tarefa de compatibilizar as diversas disposições legais aplicáveis à execução trabalhista. As inovações no processo de execução do Código de Processo Civil, pelas Leis ns. 11.232/05 e 11.382/06, representam mais que modificações do texto legal, ocorrendo alterações estruturais no sistema. Destarte, é necessária a análise das inovações em relação ao processo do trabalho, além da própria sistemática do processo de execução trabahista.

Tenho um exemplar disponível para presenter a um leitor. Para democratizar o sorteio e, ao mesmo tempo, comemorar que estou prestes a completar os 5.000 comentários no blog, entregarei o livro a quem primeiro manifestar o desejo de o receber após o comentário de número 5.000. Claro que, como de costume, o candidato deverá justificar o seu desejo de receber o livro e a sua destinação, pois a idéia é, justamente, difundir as idéias do autor, não as deixar repousadas em uma estante ou gaveta.

Vale deixar vários comentários em diversos artigos, mas sempre o comentário terá que ser relevante (pertinente ao assunto) e demonstrar o interesse em ganhar o livro.

O ganhador será informado, no máximo, em trinta dias a contar da publicação deste artigo.

Giuristi del Lavoro de Umberto Romagnoli

O texto abaixo não é um artigo original, mas uma tradução feita pelo autor deste blog de um artigo escrito por

Umberto Romagnoli, como se antecipou no blog irmão Ciudad Nativa, acaba de publicar um livro no qual faz um percurso pela teoria jurídica juslaboralista italiana e suas implicações em termos de política do Direito. O nome da obra é Giuristi del Lavoro. Percorsi italiani di politica del diritto. O mestre estréia também editora. Não é a clássica bolonhesa Il Mulino, mas a bem cuidada Donzelli editore, de Roma, da qual se falará futuramente, uma vez que acaba de publicar os Diarios de guerra de Bruno Trentin. A obra de Romagnoli foi recebida com extremo interesse em Parapanda, onde se sabia que ra um projeto bastante elaborado que por fim vem a lume. Adiante se acrescenta um pequeno resumo do conteúdo da obra, como se fosse a sua informação de capa.

Juristas del Trabajo

Umberto Romagnoli
Umberto Romagnoli
Umberto Romagnoli reconstrói nestes livro o itinerário do Direito do Trabalho na história recente da Itália desde a época liberal até os vinte anos de fascismo e o regime republicano instaurado pela Constituição de 1947. Dividido em duas partes, na primeira se expõe o que ocorreu de produção teórica italiana em termos de política  de Direito. Na segunda parte apresenta três juristas de prestígio que na Itália aportaram elementos decisivos à construção  e afirmação do Direito do Trabalho: Ludovico Barassi, Francesco Carnelutti, Luigi Mengoni. Através deles examina um tipo de construção teórica que se insere em um discurso mais amplo da evolução e desenvolvimento do sistema italiano de relações sindicais e laborais. Ao longo de todo o texto se obtém um quadro composto de transições inacabadas e desencantos precoces. É surpreeendentes que um instrumento de grande força reformista, como a Constituição Republicana Italiana haja sofrido, no campo de la tutela dos direitos dos trabalhadores uma larga fase de contrastes antes de se poder afirmar como instrumento realmente transformador . Para se garantir sua sobrevivência a República, “fundada sobre o trabalho”, teve que aceitar que, por um período não curto, a Constituição estivera latente à espera que amadurecessem as condições favoráveis ao desfraldamento dos preceitos de importância estratégica: a organização sindical é livre e a greve um direito. As páginas finais do livro abrem a janela ao futuro, porque se podem vislumbrar as linhas mestras de um sistema normativo caracterizado por uma sólida ligação com os princípios da constituição republicana. Um sistema mais complexo não apenas do que aquele no qual a teoria tradicional de Direito Privado se ligou, mas também no qual se desejam correntes de pensamento subordinada à economia de mercado.

O Direito conhece a Internet?

Na época em que eu recém havia entrado na faculdade de Direito em Porto Alegre se aprovou uma lei que determinava que, no caso de os caixas de transportes coletivos não tivessem troco para valores até 20 vezes o valor da passagem, o transporte não seria cobrado.

Ciente deste meu novo direito, em uma oportunidade, fui surpreendido em uma situação destas. Ao tentar pagar a passagem o cobrador afirmou que não tinha troco. Prontamente invoquei a lei ao que o cobrador retrucou que “não era bem assim”. Felizmente o meu ponto era no final da linha, quando então o trocador pode providenciar o troco.

No entanto me ficou na mente aquela situação estranha: a existência de uma norma clara e explícita, com uma forte probabilidade de não ser observada diante de alguém que dela conhecia, o que restando àqueles que sequer têm ciência de seus direitos mais básicos?

Nesta quinta-feira, durante a exposição acerca do Direito e Internet, a minha amiga Lu Freitas com a sua perspicácia de sempre apresentou um questionamento difícil de encontrar uma resposta simples.

Afirmava ela que não havia verdadeira e efetiva liberdade de expressão na medida em que pessoas poderiam ser processadas simplesmente por fazer uso dela e, muitas vezes, sem nenhuma ou com pouquíssimas chances de defesa.

E com razão. Ocorre que as normas têm uma certa aptidão para serem observadas ou não pela sociedade. Na verdade não basta apenas que uma regra se consubstancie em uma lei ou outro ato normativo para que se torne obrigatória. É necessário também que ela obtenha a chancela dos tribunais, sendo que por tribunais, nesta situação, se considerarão todas as instâncias encarregadas de sua aplicação, os particulares inclusive.

Assim temos uma série de normas que são, diuturnamente, desobedecidas, em sua maioria porque não refletem os anseios da sociedade, ou porque não encontram uma instância interessada no seu cumprimento.

Exemplo disso é o Jogo do Bicho que, nada obstante nunca tenha sido legal, tem a plena conivência dos particulares, policiais e demais autoridades, sendo que os seus maiores infratores, os barões deste crime, têm o seu nome precedido pela natureza do ilícito, são os “Contraventores”, como se este adjetivo fosse significado de “Comendadores” ou outro qualquer título nobiliárquico.

As próprias normas trabalhistas, principal tema deste blog, que têm nos trabalhadores um forte grupo de pressão para sua criação e observância, não se consolidariam não fosse a ação da fiscalização do trabalho.

A Liberdade de Expressão como Direito Fundamental constitucionalmente assegurado é plenamente vigente no Brasil, que se cuida de um Estado Democrático de Direito. Ela é o fundamento para que agentes públicos como eu ou o Alexandre Sousa possamos expor nossas opiniões, não raro criticando as instituições das quais fazemos parte.

No entanto como o autor do Diário de um PM bem diz, o fato de fazer uso de um direito ou de uma garantia fundamental não nos é garantia absoluta de imunidade, no entanto ele e eu entendemos que é melhor nos arriscarmos na certeza de que estamos prestando um serviço importante a República do que nos omitirmos. O fato de sermos punidos hoje, não afasta a possibilidade de se demonstrar, mais adiante, que se trata de uma injustiça.

No entanto é bem verdade que o mero fato de ser processado já é, no nosso país, uma extrema punição. Isso tudo porque a combalida classe média, da qual a maior parte de nós faz parte, fica presa a uma situação paradoxal: não é pobre o suficiente para poder contar com a assistência da Defensoria Pública nem rica o suficiente para arcar com os honorários dos melhores advogados.

Arrisca-se, assim, a uma situação que sempre lhe será gravosa. Ter contra si um processo, ainda que de improcedência quase certa, não deixa de ser uma espada sobre a cabeça, sendo que a própria morosidade do Judiciário para o cidadão de classe média é angustiante. Vejam-se que ao pobre o Direito não atinge, porque não lhe podem tirar o seu “nada”, enquanto ao rico o atraso lhe facilita a ocultação do patrimônio.

Assim somente aquele que tem pouco pode perder tudo.

Quem quiser assistir a íntegra do debate pode visitar este link. A minha manifestação foi mais para o final, em torno dos 64 minutos.