Categorias
Alunos Direito Negociação

Duas sentenças líquidas.

Na primeira as propostas para conciliação: Autor: R$ 20 mil, ré: R$ 1,5 mil e minha de R$ 3,5 mil.
Sentença líquida e já paga. O autor recebeu líquidos pouco mais de R$ 4.5 mil. A demandada pagou quase R$ 7,5 mil. A União, fora arcar com todas as demais despesas, ainda desembolsou R$ 500,00 para os honorários da perícia técnica de insalubridade.
Na segunda as propostas foram de R$ 2,5 mil do autor, R$ 500,00 da ré. Sendo que ao final a ré desembolsou R$ 347,19.

Categorias
Negociação Prática

Resolvendo Problemas Complexos…

farc

Um dia destes, pesquisando na web, deparei-me com um livro que me parecia que viria ao encontro dos temas que venho estudando relativamente à audiência, Como Resolver Problemas Complexos, de Adam Kahane.

Conforme a descrição e leitura dos primeiros capítulos, o livro era de um físico, Adam Kahane, que resolvera tentar utilizar a sua capacidade de resolver problemas na sua área para outras áreas, logo no início o autor se identificava como um dos personagens por trás do processo político e social que levou ao fim do Apartheid na África do Sul, com a democratização do país e a ascensão de Nelson Mandela ao governo do país.

O tema me pareceu bastante interessante para me auxiliar, de alguma forma, a introduzir na negociação e solução de conflitos trabalhistas em audiências. No entanto, a partir da leitura, passei a perceber que a obra de Adam Kahane tinha um potencial muito maior: de fazer uma autêntica pacificação social a partir do desenvolvimento do diálogo entre todos atores envolvidos em uma determinada situação social. Assim ocorreu na África do Sul e, igualmente, estaria ocorrendo na Colômbia.

Imediatamente adquiri um exemplar e, posteriormente, sugeri ao nosso Grupo de Estudos de Conciliação e Audiência, na Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, que o estudássemos, o que passaremos a fazer a partir das próximas sessões.

Agora com as recentes notícias de que a Colômbia está em um processo de paz com as FARC, a leitura está mais atual do que nunca. Conforme o próprio autor refere a Colômbia tem uma situação peculiar na América Latina. É um dos poucos países que, embora sujeita a conflitos internos durante os últimos 50 anos, teve um período muito curto de regime ditatorial, ou seja durante a maior parte do tempo, com toda a conturbação que pode ter um exército revolucionário em seu próprio território, manteve-se um país democrático.

Acredito que a leitura da obra de Kahan e o acompanhamento das notícias da Colômbia nos auxiliem a melhorar a nossa compreensão de conflitos, levando esta aprendizagem não apenas para a sala de audiência, mas para outros tipos de conflitos que vivemos cotidianamente.

Quem ficar curioso e quiser acompanhar a leitura abaixo está a referência do livro e alguns artigos pescados na web sobre a situação atual da Colômbia em relação ao acordo de paz com as FARC.

¿Por qué apoyar el acuerdo de paz con las FARC?

Acordo de paz histórico entre governo colombiano e as Farc é assinado

Ask the Experts: Colombian Peace Process

 

Categorias
Avançado Leigo Negociação Novato Prática Profissional Teoria

Ações trabalhistas. Expectativas vs. realidade.

tabela-expectativas

Hoje homologuei 5 liquidações. Como costumo registrar em ata as propostas das partes em relação ao processo, podemos ter a seguinte tabela comparativa entre expectativas das partes e realidade do processo. Em verdade a minha expectativa seria que os procuradores das partes, efetivamente, tivesse conhecimento do processo e uma estimativa realista do que estava em jogo.

No caso em uma oportunidade o réu acertou na mosca (situação 1), o autor acertou quase na mosca, com uma margem de erro pequena, em uma oportunidade (situação 2). Em dois casos o autor subestimou a sua proposta, casos 4 e 5, sendo que no primeiro o demandado sofreu uma condenação quase 10 vezes maior do que um acordo e no segundo no correspondente ao triplo da expectativa do autor.

No caso parece que a única situação em que haveria mesmo dificuldades em ocorrer uma negociação que se encerrasse com acordo seria o caso 1, no qual a expectativa do autor era de 10 vezes o seu crédito.

Nos casos 4 e 5 o réu perdeu uma grande oportunidade.

 

Categorias
Avançado Interrogatório Negociação Prática Teoria

Não diga não.

nao pula

Vou falar sobre a crise institucional, mas por outro ponto-de-vista. Ultimamente tenho estudado bastante Psicologia, Neurociência e outras disciplinas relacionadas ao comportamento humano, em especial para as minhas aulas de Interrogatório e Negociação.

Pois bem, todos sabemos que o partido da nossa presidente, que está no poder há mais de 13 anos, se valeu, nas campanhas eleitorais de excelentes profissionais de marketing, também chamados de marqueteiros, o que foi até exposto durante o julgamento da Ação do Mensalão. No entanto, surpreendentemente, parece que, de uma hora para a outra, a cúpula do partido simplesmente ficou burra.

Exemplo disso é o principal grito de ordem utilizado por quem defende a manutenção da presidente no poder: “Não vai ter golpe”.

Ora qualquer manual de Psicologia Infantil dirá que somos, sob certos aspectos, surdos para a palavra “não”.

Por exemplo, se uma criança está em uma situação perigosa, como sobre um muro, ou em uma janela, não devemos lhe dizer “não pula o muro” ou “não se mexa”, pelo contrário, devemos dar ordens positivas do tipo “fique onde está” ou “venha para cá”. Isso é válido também em situações de conflito com criminosos, quando se deve evitar ao máximo utilizar a palavra “não”, sob o risco de lhes despertar uma sensação negativa ou de rejeição.

Em simulações de negociação eu uso um exercício muito simples, que é o “não diga não”, ou seja os alunos tem que cumprir determinada tarefa, como a realização de um determinado negócio, sem ceder além dos seus limites, mas, igualmente, sem dizer não.

Acredito que alguma palavra de ordem do tipo: “Estabilidade já!” ou coisa do gênero tivesse um efeito muito mais positivo, para todos.

Categorias
Geral Negociação

Filme: A Dama Dourada

Assisti nesta semana A Dama Dourada. O filme é sobre uma mulher judia, que fugiu de Viena durante o regime nazista tendo deixado todos os seus bens para trás, em especial um quadro de um pintor famoso, Gustav Klimt, que retratava a sua tia.

O drama se passa a partir do momento em que, sabendo que a Áustria estaria devolvendo aos seus legítimos donos as obras que haviam sido apropriadas pelo regime nazista, esta mulher procura um jovem advogado, também de origem austríaca, a quem comete a missão de recuperar a obra. No entanto esta obra, especificamente, havia sido incorporado ao museu nacional e era tratada como um símbolo nacional.

A partir daí se desenrola uma interessante batalha jurídica que vai da Áustria até, surpreendentemente, por uma excelente sacada do seu advogado, para a jurisdição estadunidense, com especial destaque para a celeridade com que a questão respectiva à sua competência é decidida na Suprema Corte, até ser decidido por meio de arbitragem na própria Áustria.

Além de ser uma interessante história, com uma excelente atriz principal, é interessante para os estudiosos da Teoria da Negociação, poder verificar as fases pelas quais o caso passa, da absoluta negativa de qualquer possibilidade de solução negociada por parte das autoridades austríacas, até a suplicação por clemência ao final da decisão definitiva.

O filme está disponível no Net Now e também no NetFlix.