home Avançado, Geral, Teoria O trabalho é a única fonte de riqueza.

O trabalho é a única fonte de riqueza.

Este ponto é polêmico e eu posso estar absolutamente equivocado. No entanto até hoje ninguém conseguiu me demonstrar o contrário.

Pense em qualquer forma de obter riqueza e você sempre identificará, em algum momento, a necessidade de trabalho humano.

Por exemplo se você investe em ações, estas ações pertencem a empresas, estas empresas lidam com trabalho humano.

Se a sua renda vem do aluguel de imóveis, por igual este aluguel será ou para pessoas que trabalham ou para empresas que produzem a partir do trabalho alheio.

Se a sua renda provém de juros sobre capital, estes juros dependerão da existência de uma atividade econômica que tome dinheiro no mercado e o devolva com estes juros.

Se você tem propriedades rurais, você dependerá do trabalho alheio para plantar ou cuidar dos animais.

Mesmo empresas que não tem fábricas, como as que exploram marcas do tipo Apple, Microsoft, Zara, etc. dependem de trabalhadores em alguma etapa inicial da sua produção, ainda que exportada para outros países.

Não adianta ter uma mina de ouro se não há quem retire o mineral da terra. Não adianta ser um artista que transforme barro em uma escultura de milhões se não houver alguém trabalhando para gerar a riqueza para o milionário que adquirirá este bem.

Aliás o valor de certas coisas, como uma obra de arte caríssima, é algo que não passa de uma ficção. Uma obra de arte em uma situação em que não exista riqueza, como por exemplo durante uma guerra ou um estado de fome extrema, perde completamente o seu valor.

Gostaria de ver comentários sobre este ponto. Para, a partir daí, continuar com a minha argumentação. É muito importante que quem quiser demonstrar o meu erro o faça de forma fundamentada e o mais desapaixonada possível. A minha intenção é encontrar a verdade ou o que seja mais perto possível disso.

URL curta para esse artigo: http://wp.me/pVtgW-1GO
TAGS:

Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

2 comentários em “O trabalho é a única fonte de riqueza.

  1. Jorge,

    Não vejo erro na sua afirmação, mas tenho algumas considerações a fazer.

    Você diz “O trabalho é a única fonte de riqueza.” Pelo texto, entendo que você dá à frase (com o qual concordo) é que somente o trabalho produz riquezas. Posso não trabalhar nunca na minha vida e receber de presente uma riqueza que sustente todos os meus gastos. Para mim, a fonte da riqueza foi quem me presenteou. Evidentemente, alguém trabalhou para criá-la.

    Podemos classificar o trabalho que produz riquezas em alguns tipos. Numa reflexão rápida, enxergo três.

    Primeiro, posso fazer um trabalho meramente extrativo. Existe uma riqueza natural qualquer e eu a retiro da natureza, com maior ou menor quantidade de trabalho. Existe um pomar natural e eu colho as frutas. Existe uma fauna selvagem e eu caço os animais. Derrubo árvores para transformar em madeira, garimpo ouro, extraio petróleo do fundo do mar. Não estou criando nada, mas se eu não fizesse esse trabalho, a riqueza existente na natureza não poderia ser utilizada.

    Segundo, posso criar algum bem com meu trabalho. Posso arar uma terra, adubá-la, semeá-la, irrigá-la e colher alimentos. Posso pegar couro (e outros materiais) e produzir sapatos. Posso tocar um instrumento e tocar em barzinhos. Posso desenvolver um aplicativo de celular e vendê-lo. Por causa do meu trabalho, uma riqueza que não existia passou a existir. Acho que você concorda que essa situação é diferente da anterior.

    Terceiro, posso criar uma nova técnica de produção, ou um dispositivo que permita às pessoas fazer algo que não era possível antes. Inventando um avião, o homem passa a conseguir viajar rapidamente para qualquer lugar do planeta. Não sei se dá para medir a riqueza que uma invenção assim cria. Isso vale para qualquer outro desenvolvimento tecnológico, em qualquer área. A aplicação da invenção vai demandar o trabalho de muitas outras pessoas, mas esse trabalho posterior só é possível e só tem sentido por causa do trabalho de quem fez o desenvolvimento.

    Nem todo trabalho produz riquezas. Posso fazer um trabalho inútil, como cavar buracos e enchê-los novamente. E posso fazer um trabalho que destrua riquezas. Portanto, o trabalho não é sinônimo de produção de riquezas. Os órgãos de Estado trabalham, mas não produzem nenhuma riqueza. O trabalho do Estado é necessário, entre outras coisas, para dar segurança a quem produz as riquezas de que não será roubado. Infelizmente, muitas vezes é o próprio Estado quem pratica o roubo.

    Ainda é possível uma situação curiosa. Posso adquirir um imóvel que valha muito pouco. Devido ao trabalho de outras pessoas na região desse imóvel, outros imóveis são construídos, estabelecimentos comerciais são criados e meu imóvel se valoriza sem que eu faça absolutamente nenhum trabalho. Então, posso alugá-lo legitimamente e receber uma riqueza que vem única e exclusivamente do trabalho de outros. Porém, para mim essa situação é semelhante ao fato de que eu posso comprar uma passagem e ir a Porto Alegre de avião, sem que eu tenha feito nada para que o avião fosse desenvolvido. Também estou recebendo uma riqueza que vem do trabalho de outros.

    Sobre obras de arte caríssimas, ou outros objetos de valor histórico ou cultural, eles valem o que as pessoas se dispõem a pagar por eles. A primeira edição de O Capital, de Karl Marx, foi leiloada por um preço altíssimo, refutando na prática a teoria da mais-valia contida nela. Deve haver algumas coisas que têm alto valor para você e nenhum para mim, e vice-versa.

    Espero que essas opiniões lhe sejam úteis. Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: