mico

Assevera-se que nas Ciências Sociais muitos princípios científicos comuns às ciências naturais não são aplicáveis. Thomas Kuhn, afamado epistemologista, mas oriundo da Física, nunca se atreveu a adentrar nesta seara. Mas é comum, em especial no Direito, que os seus especialistas peremptoriamente reneguem inclusive a aplicação da Lógica no pensamento jurídico.

No entanto não há fundamentos palpáveis para isso. Talvez, e esta é a minha tese, isso decorra do fato de boa parte da doutrina das ciências sociais ter advindo da religião. Pensadores importantes da filosofia política, como os denominados contratualistas, ou que se debruçaram sobre os fundamentos que levavam os seres humanos a viver em sociedade, partiram de conceitos oriundos da tese Criacionista, espantosamente ainda vigente na forma da Teoria do Design Inteligente.

Contudo cada dia mais podemos perceber que nós humanos não somos assim tão distintos dos demais animais que povoam nosso planeta e que muito de nosso comportamento é decorrente da forma de evolução de nosso cérebro, em especial o fato de que o cérebro racional, relacionado ao grande desenvolvimento do córtex pré-frontal, cresceu sobre as partes mais primitivas do cérebro, atinentes aos instintos. Por tais motivos não são raras as situações em que tomamos decisões absolutamente estúpidas, por conta do domínio desta parte emocional sobre a parte racional. Aliás a primeira, por ser mais antiga, muito mais treinada para a tomada de decisões instantâneas, embora muitas vezes incompatíveis com a vida em civilização.

Uma experiência muito interessante neste sentido é a que está reproduzida no vídeo abaixo, e cujos comentários são auto-explicativos. A ideia de igualdade, que é talvez mais significativa que a própria moralidade, pode até ter sido melhor desenvolvida ao longo dos últimos séculos, mas, conforme se pode ver do vídeo, é algo inato, ao menos entre os primatas, não um privilégio da “humanidade”.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-1kz

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: