Sobre o Suicídio de uma Jovem.

Hoje a internet foi bombardeada com comentários sobre o suicídio de uma jovem abalada pela divulgação de um vídeo íntimo. Os comentários, na sua maioria, defendiam o direito de a jovem gravar suas aventuras sexuais e censuravam o fato de o vídeo ter sido divulgado, por quem quer que tenha sido. Referiu-se, inclusive, uma lei que estaria sendo gestada pelo ex-jogador Romário que preveria pena de prisão para quem fosse autor de divulgações deste gênero.

Não podemos fugir da realidade em que vivemos. É absolutamente inerente à natureza humana tanto a disposição para divulgar acontecimentos íntimos envolvendo terceiros, quanto para procurar este tipo de conteúdo. Quando envolve relações sexuais então, nem se fala. Conforme o jornalista Luís Nassif a pornografia responde por 30% de todo o tráfego na internet, sendo que páginas como a do Xvideos é responsável por 4,4 bilhões de páginas vistas por dia, mais do que o triplo de páginas de sites como o da CNN ou ESPN.

E não será apenas um dos participantes da relação sexual que poderá fazer a divulgação do vídeo: celulares, tablets ou computadores perdidos, doados ou vendidos podem ter os seus dados, ainda que apagados, recuperados, além de vírus e outros mecanismos serem capazes de penetrar em arquivos privados trazendo o seu conteúdo para o público, Carolina Dieckmann que o diga.

Pode parecer complicado. Talvez seja mesmo um direito inalienável dos indivíduos de se filmar ou fotografar durante uma relação sexual. Entretanto também faz parte da natureza humana a divulgação de intimidades alheias e, ainda que se possa vir a criminalizar esta ação, ainda assim haverá os que, protegidos pelo anonimato que a internet proporciona, ou pelo menos parece lhe proporcionar, permanecerão divulgando vídeos íntimos de terceiros. Da mesma forma como fazem os divulgadores de pedofilia e outras perversões…

De uma coisa, contudo, não podemos acusar o divulgador da imagem: pelo suicídio da jovem. É consabido que o suicídio é uma forma de psicopatia. Pessoas que se suicidam têm propensão ao suicídio. Não há dúvidas que a situação toda serviu de gatilho para que a jovem retirasse a própria vida. Entretanto não se pode imputar exclusivamente a este fato a morte da jovem.

Tampouco se pode passar a acreditar que a criminalização do comportamento venha a ser a solução. Educação é solução. Temos um país repleto de leis, em especial penais, o que deixa nossas prisões lotadas, com um baixíssimo índice de recuperação dos criminosos. Os nossos presídios servem muito mais de escola de criminalidade do que para a recuperação dos delinquentes.

Se há alguma lição a ser apreendida com este lamentável acontecimento é que pais e filhos devem buscar o diálogo, talvez cada vez mais franco e com menos preconceitos. Se não falamos sobre algumas coisas, não quer dizer que elas não acontecem. Saber disso tarde demais não é solução.

Há um livro muito interessante sobre jovens suicidas, As Virgens Suicidas, de Jeffrey Eugenides, que inclusive virou filme na lente de Sofia Coppola, cujo trailer está logo abaixo.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-1hO

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: