Xuxa vs. Google

Mais do que lamentável a pretensão da apresentadora Xuxa Meneghel de apagar o seu passado através de um pedido de censura aos resultados de busca do Google.

Embora retirado de circulação e com raras cópias à disposição não pode “Rainha dos Baixinhos” querer que se casse o direito dos internautas de se informar quanto à realização do filme Amor Estranho Amor e, principalmente, quanto ao fato de que havia no seu roteiro, uma relação da sua personagem com um adolescente.

A indexação do filme como pedofilia e relacionando a apresentadora a esta prática pelas ferramentas do Google, decorre apenas da interpretação dada por quem publicou algo a este respeito, não se podendo punir o portal pela mera otimização da pesquisa.

A decisão é, de fato, provisória e a tendência é que venha a ser derrubada. É interessante que o Google não tem interesse em ter a sua marca associada à pornografia, tanto que não permite este tipo de publicação no YouTube ou em outras páginas do grupo, além de se negar a exibir anúncios em sites que façam divulgação de pornografia.

Não obstante duas das grandes controvérsias pelas quais passou a empresa no Brasil dizem, exatamente, respeito a práticas pouco ortodoxas por parte de nossas celebridades. Primeiro foi a tórrida cena de sexo em público de Daniela Cicarelli nas areias de uma praia espanhola, publicada no YouTube, e agora com a vídeo erótico de Xuxa com um pré-adolescente.

Aliás não deixa de ser paradoxal que Xuxa, em um momento afirme que não processará um outro gigante da Rede, por ser contrária à censura, mas, em um breve espaço de tempo, apresente este processo contra os resultados do Google.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-Xn

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. A Xuxa pedir é o de menos, pior mesmo é a Justiça ter aceito isto.

    O mais curioso é que as pessoas esperam que a Justiça lhes garantam o segredo de algo que é público. O filme de fato foi feito? Ela era maior? O personagem era menor de idade (acredito que os pais soubessem não é?)? Um maior tendo relações sexuais ou insinuando ter É visto como pedofilia segundo as leis? Se tudo isto é verdade, qual o problema?

    Acho que a Xuxa esta sendo burra, de uma estupidez colossal. Ha 15 um estudante americano criou o NAPSTER para troca de arquivos entre estudantes. O programa foi usado massivamente para troca de músicas. As gravadoras resolveram entrar na Justiça, o caso veio a público e o que aconteceu? TODOS passaram a querer o programa e a pirataria da música que era de meia dúzia de estudantes tornou-se mundial. E veja, estou falando de algo que É, de fato, errado E que as gravadoras tem o direito de querer impedir. O problema é que o resultado tornou-se um tiro no pé. E é o que vai acabar acontecendo com a Xuxa.

    Qual a diferença entre a decisão e o que ocorre na China?OK, lá é feito pelo Estado e aqui a decisão foi para um particular. E ai que está o problema, o primeiro passo foi dado não é? A Justiça já censurou um jornal por conta de notícia contra o filho de Sarney. O caso da Xuxa nada mais é que um segundo passo. Pior, com o apoio de Juizes que não tem a menor noção do que é internet e me parecem não querer saber, querem meter a caneta e o mundo que se lasque.

%d blogueiros gostam disto: