Senado Federal investindo na Internet

O Carlos Cardoso, do Contraditorium, acaba de identificar uma situação que está deixando entusiasmada a massa blogueira da Internet Brazuca. O Senado Federal, em uma nítida intenção de fomentar o desenvolvimento das páginas da internet nacional, celebrou um contrato (sem licitação) em que se compromete a pagar R$ 48.000,00 mensais à obscura página Paraíba, com relevância perante os sites de medição de tráfego, segundo o Cardoso, muito próxima do zero.

Este preço, que chega às raias do absurdo para qualquer um que tenha um átimo de noção do mercado da Internet, as ultrapassa ao se considerar que, em termos de Internet, principalmente quando se trata de uma página institucional, seria muito melhor que a página se encontrasse bem posicionada no Google do que no topo de uma página cujo tráfego, seguramente, é bem inferior ao do próprio Senado.

Quanto mais que como o banner, na verdade um pequeno botão, no jargão comercial usado, é feito em animação de flash, o que sequer contribui para a melhoria na classificação da página perante as ferramentas de busca.

Aliás o Senado Federal conseguiria uma excelente publicidade gratuita se, no lugar de praticar atos insanos, como os que já o levaram a ser identificado no Google como a vergonha nacional, ou leis que ameaçam extinguir a privacidade e a liberdade de expressão na Internet, atendesse, como mais freqüência aos anseios da população, com medidas de combate à corrupção, violência urbana, redução de impostos, etc.

Também comentaram este fato:

Atualização: Conforme o MeioBit, também escrito por Carlos Cardoso, houve uma alteração na página do Senado, visivelmente buscando maquiar o conteúdo do contrato denunciado. No lugar de R$ 48.000,00 mensais, agora o conteúdo da página não permite mais entender se o valor do contrato é por mês ou outra unidade de tempo (pode ser até por semana…)

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-dZ

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

4 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Caro Jorge (já de férias?), dei uma lida lá no Contraditorium e numa pesquisa básica acho que a coisa talvez seja ainda mais mal-cheirosa…

    Em primeiro lugar, conforme consta no site do Senado (o link está lá no Contraditorium) a contratação foi por inexigibilidade. Ora, numa argumentação rápida, a obrigação do ente público é SEMPRE licitar, entretanto existem situações em que a licitação pode ser dispensada (rol taxativo – art. 24 da Lei 8666/93) e outras em que é inexigivel (rol exemplificativo – art. 25, mesma Lei). E por que seria inexigível? Pela impossibilidade de se licitar, quer seja porque a contratada seria a única do mercado, quer seja pela notória especialização da mesma, e outras situações similares. Não imagino tal empresa enquadrada em nenhuma dessas situações…

    Em segundo lugar (e aqui a coisa parece enroscar), pelo registro.br dá pra consultar o mantenedor do link http://www.paraiba.com.br – trata-se da empresa Era Digital Internet Graphics LTDA (www.eradigital.com.br). Curiosamente, como consta no portfólio de sua página, essa empresa possui diversos contratos com diversas prefeituras da Paraíba. Ambas as empresas são de responsabilidade de um certo Francisco Wellber LUCENA Cabral.

    Mais curiosamente ainda (até porque sobrenomes são comuns em qualquer lugar), há no Senado um certo Cícero de LUCENA Filho, Senador pela Paraíba, que já foi acusado anteriormente de fraudar licitações (basta uma busca na Internet para se inteirar desse assunto).

    Enfim, não sei se de fato existiria alguma ligação entre esses nomes (apenas ressaltei a “coincidência”), nem tampouco sei se existiria um partido específico vinculado aos municípios que contrataram as ditas empresas.

    Apenas deixo essas observações para quem quiser pensar (ou pesquisar) mais a fundo sobre o assunto…

    [ ]s!

%d blogueiros gostam disto: