Montevideo

Imagem via Wikipedia

Não posso deixar sem registro o fato que hoje constatei de o Direito e Trabalho ter ultrapassado a barreira dos 500 assinantes de FEED. Ainda esses dias, segundo os índices mais otimistas do FEEDBURNER, o número de assinantes era de 497. Acreditava que os 500 demorariam um pouco, principalmente considerando os critérios meio obscuros para a apuração do número de assinantes e as suas às vezes vertiginosas oscilações em curtos períodos de tempo.

No entanto justamente pelas vertiginosas oscilações, creio que o número é fiel e por isso comemoro. Os leitores via FEED muitas vezes são desprezados por muitos editores, principalmente sob a falsa impressão de que por lerem em seus agregadores, os leitores não freqüentam as páginas e, por isso, não contabilizam visitas e, principalmente, não se sujeitam às publicidades expostas nos sites, via de regra responsáveis pela sua manutenção.

Contudo eu tive sorte de, tão logo ter começado a blogar, ter tido contato com o Blog do Rafael Arcanjo, que já então fazia campanha pela disponibilização dos FEEDs completos. Atualmente posso garantir com certeza que ao escrever meus artigos meus pensamentos são muito mais voltados aos meus assinantes, do que aos leitores eventuais.

Para quem não sabe o que são FEEDs recomendo a leitura do texto da Lu Monte, que é bastante esclarecedor, e cujo FEED também merece ser assinado.

A imagem acima é de Montevidéu que não tem absolutamente nada a ver com o texto, mas que, por ter achado muito bonita, resolvi incluir.

Zemanta Pixie

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-dL

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Inicialmente, gostaria de parabenizar pelo belo trabalho, e dizer que sou um dos 500.

    Noutro ponto, repasso e-mail (datado de 23/07) do Prof. Rossal sobre o falecimento de Américo Plá Rodrigues.

    Direito do Trabalho perde Plá Rodriguez

    Faleceu ontem em Montevideo, onde será sepultado hoje, o jurista Américo Plá Rodriguez.

    “Caros amigos

    A notícia do falecimento do prof. Plá Rodriguez por si só é um momento de tristeza e reflexão.

    Tristeza porque o dir. do trabalho perde um grande pensador e humanista, cujos conhecimentos ultrapassavam as fronteiras do conhecimento jurídico e penetravam, com profundidade, na filosofia, economia, sociologia, entre outros.

    Reflexão porque nos faz repensar no sentido do exercício de nossa profissão.

    Conheci a obra do prof. Plá Rodriguez por intermédio da Dra. Magda Biavaschi, ainda quando era funcionário da Justiça do Trabalho e seu assessor. Até hoje não conheci melhor tratamento científico para o tema dos princípios do Direito do Trabalho. Com o passar dos anos foi percebendo a profundidade e o respeito com que era tratado este livro, tanto no Brasil quanto na América Latina e Europa (em especial Espanha e Itália).

    A primeira vez que vi o prof. Plá Rodriguez pessoalmente foi na Universidade Federal de Pelotas, em um painel com o prof. Mozart Russomano, onde pude perceber o respeito recíproco e a profundidade de ambos no trato de suas conferências.

    Na AMATRA, decidimos convidá-lo para a abertura de nosso congresso em Caxias do Sul (2000 ou 2001). Estava tudo certo para a conferência de abertura com o prof. Plá Rodriguez (na época com mais de 80 anos) e um temporal em Montevideo não permitiu que o vôo saísse no horário. Foi um desespero geral, o avião que o trazia teve de ir a São Paulo, pois POA não permitia pousos por força do mesmo temporal. Tivemos de improvisar a palestra de abertura com outro conferencista (prof Joaquín Aparício Tovar, que havia vindo da Espanha).

    No dia seguinte, o prof. Plá Rodriguez conseguiu chegar em POA e proferiu sua palestra em nosso congresso. O que particularmente nos impressionou foi que o prof. Plá Rodriguez só aceitava convites para conferências e palestras se pudesse levar a sua esposa, também uma senhora octagenária. Estive duas vezes na residência de ambos em Montevideo e, nesse pequeno contato , pude perceber a força familiar que havia por detrás da vida profissional daquele grande jurista.

    Nesses tempos de desapego a valores mais profundos, vale o exemplo de vida de um homem que dedicou sua vida ao Direito do trabalho e deixou sua obra para que outras gerações possam refletir sobre os valores do trabalho e da dignidade humana, com um posicionamento científico, sem a tentação de um discurso panfletário e inconsistente.

    Em geral não escrevo muito em e.mails, mas essa é uma forma de expressar meu sentimento de tristeza e deixar este breve testemunho de uma impressão pessoal. Se existir, no Céu, um grupo de juristas estudiosos de Direito do Trabalho, certamente o prof. Plá Rodriguez estará entre eles, e provavelmente, a essas horas, já deve estar providenciando para que as reuniões sejam nas quartas-feiras, como costumava a fazer com seus amigos e alunos…

    Um fraterno abraço a todos

    Francisco Rossal de Araújo”

%d blogueiros gostam disto: