Categorias
Direito

Rio’s Police Body Count

Na linha dos Iraq Body Count e Rio Body Count o Alexandre Sousa, do Diário de um Policial Militar, criou o Rio’s Police Body Count.

É um sítio exclusivamente voltado para apurar o número de policiais cariocas que tombam no serviço de combate ao crime no Estado.

Se a intenção do seu precursor Iraq Body Count é alertar o mundo para o erro que foi a invasão americana do Iraque, sem uma causa real e sem um projeto de pacificação, e o do Rio Body County de apresentar os números da violência carioca, o Rio’s Police Body Count é uma contagem feita do lado de dentro, ou seja o Alexandre é colega dos corpos que conta e potencial integrante da infeliz estatística.

Comparando-se os números do Rio Body Count e do Rio’s Police Body Count podemos perceber que tanto no número de feridos quanto de mortos os policiais ocupam número muito próximo de 10% do total dos atingidos pela violência do Rio.

O que podemos fazer? Protestar, indicar estes sítios a outros e, principalmente, exercer pressão para que as autoridades públicas, em especial os Poderes Legislativo e Executivo criem normas e condições para que se dê um basta à violência quer a curto prazo, na forma de leis mais severas e prisões efetivas, quer a longo prazo através de projetos de educação e inclusão social.

A Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho – ANAMATRA, por exemplo desenvolve o projeto Trabalho, Justiça e Cidadania, que consiste no ensinamento a crianças em idade escolar acerca de seus direitos de cidadão. É um pequeno passo, mas se cada um fizer sua parte…

Por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

1 resposta em “Rio’s Police Body Count”

Obrigado por divulgar! A idéia é essa mesmo, tirar os números das estatísticas policiais e boletins da secretaria, que apesar de publicarem os numeros, nao costuma chegar a um grande numero de pessoas. É preciso mostrar os exorbitantes e preocupantes números de morte de policiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.