Profissão: Problogger

A existência de programas de recompensas, em que empresas de comércio eletrônico oferecem contraprestações significativas pela oportunidade de anunciar em páginas de blogs através do pagamento por clicks (AdSense do Google), por compras (Submarino), cadastros (Mercado Livre) , ou ainda pesquisas de preços (Bondfaro/Buscapé) , tem representado fonte de renda para muitos blogueiros. Muitos inclusive já pensam, ou já estão próximos a realizar o sonho de viver desta atividade, com um certo conforto. Nesta situação estão, por exemplo, o Rafael e o Cardoso.

No entanto alguns contratempos que se tem demonstrado nesta atividade. Um deles diz respeito à forma de pagamento do programa mais rentável, o AdSense de Google, efetuado através de cheques em dólar, enviados para a residência dos blogueiros através de courrier internacional e que exige que estes “se virem” para trocar os cheques, via de regra com prejuízo em relação ao seu valor original. Pois bem nem mesmo este problema, que não era pouco, ficou maior com a agora com o bloqueio das entregas de tais documentos.

É interessante destacar que os profissionais dos blogs não pretendem ficar na clandestinidade, ou à margem de suas contribuições compulsórias, consoante se pode observar dos comentários e da significativa freqüência e repercussão nos blogs profissionais de nossas postagens sobre o tema.

A vinculação a programas internacionais, o estabelecimento de cláusulas leoninas em alguns programas, isso sem falar na exigência de que as eventuais demandas ocorram no país sede das empresas (mesmo no caso do Google que tem filial no Brasil), demandam uma regulamentação protetiva a esta espécia de trabalhador que, ao prestar relevantes serviços de informação, também traz divisas ao nosso país, injetando dinheiro estrangeiro na sua economia.

Neste quadro urge que se proceda na regulamentação desta atividade profissional, com o estabelecimento de normas claras acerca da sua filiação à Previdência Privada, tributação e, em especial, permitindo que perceba, sem burocarcias ou taxas os ganhos advindos do exterior.

URL curta para esse artigo: https://wp.me/pVtgW-1M

Publicado por Jorge Alberto Araujo

Jorge Alberto Araujo é Juiz do Trabalho e master em Teoria da Argumentação Jurídica pela Universidade de Alicante, Espanha. Titular da 5a Vara do Trabalho de Porto Alegre/RS.

Participe da discussão

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Primeiramente, parabéns pelo texto. E gostaria de saber de você, Jorge Araujo, oque acha do tema, você vê alguma perspectiva dos problogers serem mesmo regularizados como profissão???
    Abraços

  2. Esquece, aqui no Brasil há uma política atual de não regulamentar nenhuma profissão nova. Vide oceanógrafos (tentam desde 1993), turismólogos, e os próprios profissionais de informática. Perca suas esperanças, pois nós oceanógrafos já perdemos e tocamos nossa vida sem isso.

%d blogueiros gostam disto: